Amazonas lidera uso do gás natural para geração de energia


Usina termoelétrica de Aparecida é uma das principais consumidoras de gás natural

Durante o momento crítico da pandemia causada pelo novo coronavírus em todo o Brasil, no mês de abril, a Companhia de Gás do Amazonas (Cigás) manteve em pleno funcionamento o serviço público de distribuição do gás natural. No período, a concessionária foi a que forneceu o maior volume de gás natural para geração de energia no Brasil, entre 23 distribuidoras.


Foram comercializados, no mês, uma média de 4,9 milhões de metros cúbicos por dia, período em que a cadeia do gás natural arrecadou aos cofres públicos do Estado mais de R$ 44 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O volume é superior ao distribuído pela Naturgy, do Rio de Janeiro (CEG), e pela Companhia de Gás de São Paulo (Comgás), segundo e terceiro maiores volumes comercializados para geração de energia no país, respectivamente.


Desde 2012, a Cigás mantém o Amazonas em posição de destaque nacional no atendimento a usinas termoelétricas com gás natural. Em Manaus, 60% da energia elétrica utilizada é gerada a partir do gás natural, que também atende termelétricas no interior do Amazonas: em Coari, Anori, Anamã, Caapiranga e Codajás. Este segmento apresentou um aumento de 17% no consumo em relação ao mesmo período do ano passado.


O principal benefício desse consumo é ambiental. A adesão ao gás natural, em Manaus, significou uma redução de 73% na poluição provocada pela queima de combustíveis líquidos e redução de 55% na emissão de gases de efeito estufa (metano e dióxido de carbono), de acordo com a Revista científica Atmospheric Chemistry and Physics, dos pesquisadores da campanha científica Green Ocean Amazon de 2017. A mudança colaborou também com a retirada de mais de 300 carretas de combustível líquido do trânsito de Manaus.


Considerando o volume total comercializado em todos os segmentos, a Cigás também se destacou ao alcançar a terceira colocação em volume de vendas entre as distribuidoras da federação, ficando atrás apenas da Naturgy e da Comgás. Foram mais de 5 milhões distribuídos a mais de 50 indústrias e milhares de comércios e residências, além das termelétricas. “A Cigás está comprometida em manter o fornecimento às termelétricas, mas, sobretudo, ampliar as alternativas de consumo do gás natural ao maior número possível de unidades consumidoras. Esse é um propósito da distribuidora enquanto prestadora de um serviço público”, destacou o diretor técnico e comercial da Cigás, Clovis Correia Junior.


Até 2024, a concessionária estima investir em infraestrutura de distribuição de gás valores da ordem de R$ 182 milhões para atender a, pelo menos, 17 mil unidades consumidoras.